BEM VINDAS

QUEM GOSTA DE MAMAS

Mostrar mensagens com a etiqueta poemas. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta poemas. Mostrar todas as mensagens

domingo, junho 18

Dever até Quando?

Avaliando, mesmo quando o dever chama,
esperando o amor premeditado e prometido... 
Se é que ele existe, onde estará escondido?
São estas as dúvidas de quem ainda Ama.

Esse Amor já fez de mim um prisioneiro,
recluso, réu confesso, vitima por ter dito que amava.
'Eu te Amo', disse-o, confessei, apalavrei...
Talvez o meu erro foi o ter dito primeiro!

Traído pela minha insegurança,
maltratado pela minha paciência,
torturado pela própria consciência,
magoado pelo Amor que não se cansa.

'O Amor é paciente', esperarei então,

'O Amor suporta', suportarei a espera.
Amando, terei forças para esperar
deixando as mágoas da negação.

Rolam as horas da espera desesperado,
esperando em aflição meu julgamento.
Entretanto e com pena minha atormentado
pela solidão a que fui sentenciado por Amar.

by mghorta 


terça-feira, março 21

Desenvergonhada Anónima!


Ó minha desenvergonhada
teus sovacos selvagens
como ramalhete floridos
em cama acetinada aluada
meu sonho é adormecer
nessa vasta cabeleira
depois de aliviar o tesão.

by mghorta


quinta-feira, março 9

Primavera.

Teus olhos verdes lembram-me
cores paradisíacas de Primavera,
os frutos frescos da estação,
neles colhendo morangos e maçãs.

Na boca bebo o suco das laranjas
e das amoras em longos beijos,
as mãos percorrendo no teu peito
com framboesas cristalinas,
acariciando teus seios cuidadosamente
para não macular e que sejam firmes
sedosos e brilhantes. ..

Colhida a fruta fresca,
que me serves a bom tempo
na selva temporal dos actos
no teu cálice sagrado umbilical,
por fim adormecemos exaustos,
saciados e abraçados. ..

by mghorta


sábado, fevereiro 25

Labirintos.



Viver,
sorrir,
viver, sorrir e Amar. ..
São como labirintos dos desejos, 
sentimentos, momentos e
e histórias dos mortais
que se humanizam quando:
- Uma lágrima insiste em apagar um sorriso,
quando o amor de sua vida num gesto solidário
e poético lhe devolve esse sorriso. ..
Sorriso esse na tentativa desenfreada para querer
compreender que na vida desejamos passar
serpenteando nos labirintos para encontrar
uma mão amiga com um abraço solidário
que devolva novamente a esperança de viver,
tudo nessa vida vale e valerá sempre a pena!

by mghorta


Reinventar a Alma.



Foi quando organizei
minha casa da Alma
conseguindo abrir espaços
para meus anseios.
Tinha os meus fantasmas
que apenas não eram só meus,
carregava coisas que 
não me serviam mais.
Abandonei Incertezas,
procurei caminhos
som leves contornos,
coloquei a Alma ao avesso
para secar ao Sol da manhã!
Limpei os escombros desarrumados 
por temporais de pesadelos que não criei.
Espalhei meus braços,
finquei minhas raízes,
ganhei tronco e membros,
por fim. ..
Reinventei-me
e cá estou de Alma Nova.

by mghorta 


domingo, fevereiro 19

Eternando. ..


Brotando floreado esperando em mim
melodia maviosa refreada no leito
soprando sonegadamente no peito
renovando chama de afecto sublime.

For-tecendo sentimentos de outrora
no ciclo de vida nunca suprimido
noites vitoriadas nos lábios exprimidos
dias com estrofes magníficas na aurora.

Flagrante delitos que nos unem
nas índoles ternas assumidas
eternando num promissor futuro.

As almas sorrida-mente se integram
tal como crianças diante aos doces se alegram
eternando um amor singelo, 
comprometedor e puro.

by mghorta







Vendaval de Amor!


Um vendaval fazia lá fora
ventania soprava forte
relâmpagos iluminavam as trevas
trovoada ecoava longe mas ouvia-se perto. ..





























Natureza brigava vivamente
nada comparado
aos lençóis desalinhados
cobrindo corpos suados. ..







Amavam-se apaixonadamente
com desejos penetrados
eram uno, eram uma só alma
embora fossem dois corpos. ..



Estavam criando um vendaval
na própria cama e a tormenta
era tão lampejante e ruidosa
afogando-se em promessas de amor.



by mghorta 

sexta-feira, fevereiro 17

Imprevisível!


Imprevisível  foi o toque,
a procura 
e a consumação da loucura
transformando nós dois
em um. ..
Nada foi comum,
tudo foi vital
viral e anormal. ..
Dentro desta nossa normalidade
contida em actos,
imprevisível  foi o tacto
de nossos braços enrolados,
tudo. ..
o corpo todo
sentindo a gula
nas entranhas
nas loucas manhas
de uma madrugada_festim. ..
Imprevisível
tactear-me em falso
para sentir-te plena
e inteira em mim.

by mghorta 


Sonhos!



Existem sonhos,
que só eu sei
sonhar contigo!
O que faço,
senão te possuo mais?
Onde os guardarei. ..
todos os sonhos
que ambos jurámos eternos!? 

by mghorta 



quarta-feira, fevereiro 1

Moralista.


Entre o desejo e o medo
de perdas irreparáveis,
o moralista e seu dedo
tornaram-se inseparáveis.

by mghorta



terça-feira, dezembro 27

Amantes!


Eles eram dois amantes completamente desconhecidos, todas as noites olhavam-se e amavam como que o mundo terminasse amanhã, no final de uma noite ela saiu, ele acabou por a deixar partir, ele deitado na cama tendo o silêncio e o vazio da sua ausência para sempre. ..

by mghorta


Ai que Rico Vinho!



É coisa que consumo
tanto branco como tinto,
responsavelmente assumo
falo a verdade e não minto. 

Moderadamente não faz mal,
depois de fermentado
não tem outro igual
na boca até faz estalo.

Do bom até dá gozo beber 
seja branco ou tinto
à gente que não o quer esquecer
digo a verdade e não minto.

Rimados frente ao copo no momento,
Martinho Horta dava um bom autor
com o peso do grau no pensamento
nem é preciso ser doutor.

by mghorta


quarta-feira, dezembro 14

Madrugada!


Tem na madrugada tua alma
com a fragrância das rosas,
brancas borboletas em minhas mãos
tremendo como que toquem teu coração.
Como te adoram mesmo não vendo!
És meu anjo da guarda à noite,
meu guia e guardiã dos meus sonhos,
teu choro a coco me diz que aqui estás, 
ali ou acolá nosso amor nos chama.
É madrugada hora do encontro,
sente o calor do meu corpo insano
querendo possuir-te infinitamente
na bela eternidade mesmo sonhando!

by mghorta 


terça-feira, agosto 2

Proposição!


Repentinamente veio a saudade,

do que estava bebendo. ..


Tive saudade e lembrou-me do que faltava,


qual seria a bebida?


Procurei a beber copos,


copos atrás de copos e dei com tua boca.


Tinha saudade tuas,


a bebida eram teus beijos!!!



by mghorta 


terça-feira, julho 5

Quem Sou!


Perdi minha identidade, 
de cavalheiro e de homem,
vesti-me de mil fantasias,
perdido nos desejos como de beijos,
inocente por vezes,
malicioso a tempo inteiro,
apaixonado tantas vezes,
carente de muitas caricias,
desejado bem como odiado,
sou o que sou e por vezes 
o que querem que eu seja,
homem ou garoto,
querendo mandar e não dominado,
transformado em outro ser,
não sei a minha própria identidade,
perdi a felicidade
em querendo saber quem sou!

by mghorta


Identidade!


Perdi minha identidade, 
de cavalheiro e de homem,
vesti-me de mil fantasias,
perdido nos desejos como de beijos,
inocente por vezes,
malicioso a tempo inteiro,
apaixonado tantas vezes,
carente de muitas caricias,
desejado bem como odiado,
sou o que sou e por vezes 
o que querem que eu seja,
homem ou garoto,
querendo mandar e não dominado,
transformado em outro ser,
não sei a minha própria identidade,
perdi a felicidade
em querendo saber quem sou!

by mghorta

segunda-feira, junho 27

Tilintando!


Sou louco por falar de amor,
que o amar seja nossos anticorpos,
mais e muito mais,
sucumbindo ao egoísmo,
até que sejamos uno,
seja o amar pecado
torne-se Inferno eterno nosso amor.
Irregularidades poéticas,
versos sem anexo,
grunhidos de tesão
transformados em canção.
Iniciativas de amor,
desnudando as piores rimas
culminadas no intocável.
Abstracto e vigoroso,
explorando o inanimado
como que se fosse a ultima vez.
Melindrosa-mente provoca
o inexperiente sensato,
driblando os abismos do medo,
até que dois se tornem um,
desmedidamente mesmo desconhecidos,
com ou sem pudor tilintando amor.

by mghorta





quarta-feira, junho 22

Primeiro Amor!


Louco de amor procurei 
remédios no dia a dia,
a dor do amor a gente cura,
mas amar como a gente amou,
jamais será amado nunca
como no primeiro Amor!

by mghorta


sábado, junho 11

Descrever!



Na universalidade do tempo te descrevo,
apesar de estares nua não te querer,
por inteiro ou formato como te descrevo,
o vento no seu bater me ajuda te descrever!

Na universalidade quase te ouço,
mutante, ambulante sempre perto
tens ganas de me matar constantemente,
persistente-mente e segues com a mente!

Parte ou inteira respirar-te
sugar-te com minerais e sais,
euforia das nossas vontades digitais.

Se é amor fico contigo,
sendo assim me descreve e fica comigo.

by mghorta

quarta-feira, maio 25

Aposta!


Quis com o Tempo apostar!!!
Apostei que nada dura para sempre,
tal como a chuva o Sol e a distância!!!

Apostei não com a pessoa,
aposta do que sentia no momento,
não que a chuva me afogue,
não que o Sol me torre,
nem sempre a distância nos separa. ..

Sei que quando voltares,
irei provar ao Tempo que ele errou,
porque o que sinto é nosso Eternamente!!!

by mghorta 

VOLTE DE NOVO

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...